Comments

Antes de viajar nas leituras, clique aqui e indique o blog.

Trends Tops - Agregador de Conteudos

Total de leitores de página

BRINCOS DE ARGOLA

Posted by at julho 30, 2015 Read our previous post

Martinho era um homem extremamente tradicionalista: não permitia que sua esposa usasse roupas curtas, maquiagem e brincos grandes, pois achava o acessório, coisa dessas mulheres da vida. Se possível fazia a mulher usar as maiores e mais discretas roupas que pudesse encontrar nas lojas. Clésia, subserviente ao esposo, mas com a alma gritando por um pouco mais de vaidade, satisfazia todas as vontades dele, usando no dia-a-dia, tudo o que para ele lhe era apropriado a uma esposa dedicada, discreta e invisível para a sociedade.

Um dia, Martinho arrumou uma amante bem mais nova do que Clésia, que fez a cabeça dele para que se separasse da esposa e ficasse com ela. E para atiçar ainda mais essa decisão, Evangelina, a amante, envenenava os olhos de Martinho, mostrando como Clésia era sem graça, feia e se vestia mal para a esposa de alguém tão importante quanto ele. e por causa desse veneno todo gotejado em seus olhos, o divórcio aconteceu. Martinho marcou a audiência para a partilha dos bens para o dia quinze de agosto e saiu de casa para ir morar com a amante.

No dia marcado para a audiência, Martinho, acompanhado de Evangelina, agora sua nova mulher e companheira, chegou cedo ao fórum, sentou-se e aguardou que sua ex-esposa chegasse. De repente, não mais que de repente, uma bela mulher trajando um vestido preto que realçava suas formas apesar de ser perfeito para a ocasião, cabelos bem arrumados, maquiagem básica, bastante perfumada e com dois grandes brincos de argola, entra no fórum. Todos ficaram boquiabertos:de advogados a seguranças; de promotores a pessoas comuns, pararam para babar em cima daquela mulher extremamente linda. Era Clésia, transformada em uma nova mulher.

Martinho ficou boquiaberto, tamanha era a beleza de sua ex-esposa. E por incrível que pareça e sua juventude permitisse, Evangelina não conseguia se comparar a beleza que aquela mulher de trinta e três anos exalava. Tanto era que ficava beliscando Martinho toda hora, para que ele parasse de babar pela ex-mulher e se arrumasse, pois a audiência já iria começar. Lá dentro da sala do juiz, que se chamava Dr. Elroy, o mesmo se admira com a beleza de Clésia, pois nunca tinha visto em lugar algum. Eles então começaram a audiência conversando e falando sobre a partilha dos bens do casal.

Em determinado momento, Martinho queria desistir e tentar recomeçar a relação, pois nunca havia percebido o quanto sua ex-companheira era tão bela. mas por ouvir a atual companheira demais, havia assinado o divórcio antes da audiência, não dando brechas para que Clésia, sua ex-esposa reconsiderasse. Ela, olhando os papéis já assinados por Martinho, lança nele e em Evangelina um olhar de pena e assina o divórcio, dando fim ao martírio que passou durante os cinco anos (que para ela pareciam cinco séculos) perdidos ao lado daquele homem que a queria feia, para depois dar-lhe um pé na bunda.

Terminada a audiência, Clésia levantou-se, entregou a atual companheira de Martinho um envelope e saiu. Curiosa, Evangelina abriu o envelope e dentro dele havia uma foto dela, antes de mostrar sua verdadeira beleza para o ex. Nele também tinha um bilhete perfumado que dizia: "Se não quiser perdê-lo para a próxima, comece por aqui".

Assim que estava quase entrando em um táxi para ir embora, talvez da cidade, um dos seguranças do fórum a abordou, dizendo que o juiz, o Dr. Elroy, queria falar com ela. Curiosa, Clésia foi novamente até o juiz, e com uma doçura nas palavras, diferente da postura que ele tinha durante a audiência, disse a ela que era viúvo, teve apenas um filho único que viajava pelo mundo e quase não parava em sua casa e que há anos não conseguia encontrar uma mulher tão bonita.

Clésia sorriu em resposta ao elogio do Dr. Elroy. Ele então segurou em sua mão com a certeza de que nunca mais iam se separar e a convidou para jantar. Ela aceitou. Ele disse que a pegaria de carro em qualquer lugar da cidade. Ela deu o endereço de onde ia estar, ele anotou. Ele olhou profundamente nos olhos dela e avisou que para abrilhantar ainda mais aquela noite que prometia ser a primeira de um para sempre, ele pediu que ela fosse com aquele mesmo par de brincos de argola.

Leia outros contos Aracajuanos, adquirindo o e-book "ARACAJU COMO EU CONTO", clicando na imagem ao lado da postagem.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Clique nessa barrinha azul com nome estranho e deixe seu comentário.

Leia mais!

© ARACAJU, COMO EU CONTO. is powered by Blogger - Template designed by Stramaxon - Best SEO Template